ta sempre a par das novidades

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

/guitarra toca baixinho

Era uma vez uma guitarra que tocava sempre baixinho.


Tocava baixinho com medo de acordar a saudade. 
Tocava frases melódicas nunca antes ouvidas para não despertar as memórias; e tocava-as baixinho… 


Baixinho.. 

Não fosse alguém recordar-se de uma nota e trazer de novo a tristeza ao bairro desta cidade.


Esta guitarra já não chorava, as cordas já não tinham lágrimas, secaram; não fossem essas lágrimas desencantar o sono da voz da fadista.

                                                            (se a fadista se lembrasse do que era o
 fado
                                   as memórias, a saudade e a tristeza voltariam aquele bairro.)

Então a guitarra fingia-se alegre e tocava cantigas novas. 

Sem memórias, sem saudade, sem história… 



                                 E tocava baixinho, para não acordar as lágrimas da cidade.

/a dor sem o Fado

Desde o dia em que o Fado se calou.
Do momento em que a saudade se escondeu
Quando a guitarra suas lágrimas secou
Todos esqueceram o que era o Fado menos Eu.

Os poetas já não escrevem as verdades
Sobre o passado, a mágoa e o amor.
Criam versos onde reina a felicidade
Com receio de lembrar o que era a dor.

E agora aquelas cordas já não tocam
Os poemas da memória e da saudade.
O silêncio já bateu a cada porta
De silêncio enchem-se as ruas da cidade.

Vivem presos a uma falsa realidade
Por não chorarem as dores do passado.
O Fado chora e grita - é liberdade
E a cura desta dor é só o Fado .